quinta-feira, 24 de junho de 2010

O PROBLEMA DA CONSCIÊNCIA CRISTÃ - I Co. 8.7-13

BAIXE ESSA MENSAGEM EM ÁUDIO

O que é a nossa consciência?

· Conhecimento, noção da própria existência e do mundo exterior; Sentimento do dever, da moralidade; Discernimento, juízo; Senso de responsabilidade.

· É um tribunal que o próprio Deus instalou dentro de nós. Pela consciência temos a noção daquilo que é certo ou errado.

· A consciência é o tribunal interno, onde nossas ações são julgadas, aprovadas ou condenadas (Rm. 2.14-15). A consciência não é a lei, ela produz um testemunho diante da lei de Deus.

o A consciência depende do conhecimento. Quanto mais conhecemos a Deus e sua Palavra, tanto mais forte é a nossa consciência.

· Paulo diz que alguns irmãos em Corinto tinham um problema de consciência fraca.

o A consciência fraca é a hipersensibilidade à questões que não são pecado.

o Ressentimento fácil.

o Uma consciência fraca se aflige por coisas que não trariam culpa para cristãos maduros que conhecem a verdade de Deus.

o Uma consciência fraca é o resultado de uma fé imatura ou frágil. Essa fé é gerada pela falta de amadurecimento na fé.

· Paulo faz um alerta, não só aos crentes fracos, mas também aos cristãos maduros.

o O crente maduro, que tem conhecimento, precisa ajudar o fraco.

o Nenhum cristão tem liberdade de assegurar os seus direitos se isso significar dano às outras pessoas.

· Paulo apresenta quatro argumentos sobre o uso da liberdade cristã:

o A liberdade cristã, se não for dirigida pelo conhecimento e pelo amor, pode se tornar pedra de tropeço para o cristão fraco (8.10).

§ Nossa consciência deve ser fundamentada nas Escrituras, não no que ensina a sociedade. Do contrário, feriremos a muitos!

o Devemos sempre olhar para cada cristão como um irmão pelo qual Cristo morreu (8.11).

§ Esse irmão é muito valioso para Deus, pois Cristo morreu por ele.

o Quando pecamos contra um irmão, ferindo a sua consciência fraca, estamos na realidade pecando contra Cristo (8.12)

§ É fácil ignorar a presença real de Jesus em nosso irmão.

§ Quando você fere um membro da igreja, você está atingindo também o Cabeça da Igreja, que é Cristo.

o Fazer “coisas duvidosas” apenas por exibicionismo nunca é uma demonstração da verdadeira liberdade cristã (8.13).

§ Se comer carne ou beber vinho vai escandalizar meu irmão, nunca mais faço isso, Paulo nos ensina.

§ Não podemos fazer nada que gere prazer em nós, mas escândalo a Cristo e nossos irmãos.

· Paulo nos oferece a lei áurea para nos conduzir com segurança pelos caminhos da liberdade cristã:

o Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus. (I Co. 10.31).

o Para qualquer coisa que você for fazer, pare para pensar:

§ É por que eu gosto? É porque me faz bem? É por que me dá prazer? É por que é meu hobby?

§ A pergunta certa: É PARA A GLÓRIA DE DEUS?