quinta-feira, 8 de outubro de 2009

SACIANDO OS SEDENTOS DE DEUS - João 7.37, 38

O povo judeu celebrava a festa dos tabernáculos. Festa essa que celebrava os 40 anos de peregrinação no deserto, além de agradecer pelas colheitas do ano. Era considerada a festa mais alegre e festiva em Israel.

Uma cerimônia marcante nessa festa era realizada pelos sacerdotes, que durante sete dias faziam uma procissão do tanque de Siloé até o templo, carregando jarros com água, sob o som de trombetas e grande júbilo, derramando essa água sobre o altar. Nessa jornada, a esperança do povo era reavivada com uma profecia messiânica: “Vós, com alegria, tirareis água das fontes da salvação” (Is. 12.3).

O último dia da festa era o apogeu da cerimônia. A procissão era repetida sete vezes. O povo, nesse momento, resgatava na memória a promessa do Messias, que traria água para os sedentos, vida para o povo.

Nesse ínterim, Jesus se levanta e exclama: “Se alguém tem sede, venha a mim e beba”. Jesus, nesse momento, atrela sua vida e ministério a todas as profecias e expectativas do coração daquele povo. Ele convida àquele povo a se deixar satisfazer não mais pela esperança, mas pela verdadeira água da vida.

Esse convite de Jesus ainda ecoa na atualidade. Pessoas em todos os lugares, de todas as formas, possuem sede. Uma sede que Só Jesus pode saciar. Nós hoje, ainda carecemos da água da vida. Assim, vamos analisar esse convite de Jesus e descobrir suas implicações para nossas vidas, hoje.

1) O CONVITE DE JESUS É UNIVERSAL

· “Se alguém tem sede . . .” (v. 37)

· Deus não faz acepção de pessoas. O convite é para todos.

· Não existe distinção para Deus. Todos são convidados para desfrutar de sua salvação.

2) O CONVITE DE JESUS EXIGE “ROMPIMENTOS”

· “Se alguém tem sede, venha a mim e beba (v. 37)

· Para beber a água da vida, é preciso sair de onde está.

· É necessário tomar uma decisão, romper com todo obstáculo, preconceito ou estrutura que paralisa.

· É preciso romper com toda tradição, vinculo pessoal ou religioso.

· A resposta inicial ao convite de Jesus é ir ao seu encontro.

3) O CONVITE DE JESUS É PARA OS QUE TEM SEDE DE DEUS

· “Se alguém tem sede, venha a mim e beba” (v. 37).

· Só sedentos buscam água. Só os doentes procuram médicos. Só os que se reconhecem perdidos anelam por um Salvador.

· Não adianta querer receber algo de Deus, se não temos a clara certeza que realmente precisamos d’Ele.

4) O CONVITE DE JESUS IMPLICA POSSE

· “Se alguém tem sede, venha a mim e beba”. (v. 37)

· O convite de Jesus não é para olhar a água, analisar, admirar, conversar sobre a água ou mesmo para criticá-la, Jesus convida para beber dela!

· Não adianta saber sobre Jesus, é necessário experimentá-Lo.

· Enquanto não nos apropriarmos da água, não encontraremos resposta para nossa sede.

· Quando se fala de experimentar, fala-se de fé, de se pautar a vida em Jesus, ele deve ser o novo alicerce da vida.

5) PROMESSAS RELATIVAS A QUEM ACEITA O CONVITE

Jesus não faz apenas um convite, mas também uma promessa.

a. Uma vida pura

§ Água viva (v. 38)

§ Essa água límpida e corrente apresenta-nos sinais claros de santidade e pureza.

§ Ter a vida de Deus dentro de nós é manifestar sua santidade dia-a-dia.

§ Ser puro não é ser perfeito, mas viver em bom testemunho.

b. Uma vida abundante

§ Rios de água viva (v.38)

§ Multidão de águas = vida abundante.

§ Precisamos aqui compreender o que significa esse termo: ABUNDÂNCIA.

Ø Abundância está relacionada à vida:

· Água é sinal de Vida.

· Só Jesus pode nos dar verdadeira vida.

Ø Abundância está relacionada à grande quantidade:

· Plenitude de vida, só em Jesus.

Ø Abundância está relacionada à fecundidade:

· Vida também é sinal de multiplicação.

· Só em Jesus podemos render frutos dignos nessa vida.

6) CONCLUSÃO

· O convite de Jesus ainda ecoa sobre nós hoje.

· Suas implicações e promessas já são conhecidas.

· Cabe então a nós, recebermos esse convite e respondê-lo prontamente, para desfrutarmos da presença e promessa de deus, hoje.