quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Compreendendo os ciclos de Deus - Salmos 90.10-12

Em diversos textos da palavra de Deus relata ciclos que eram vividos pelo povo de Israel, também, depois de tomarmos conhecimento desta verdade passamos a observar o ciclo que estamos vivendo segundo sua Palavra e nos certificar de que é algo real e para as nossas vidas também. Um ciclo completo resume-se em 7 anos, visto que o sábado é o 7º dia da semana, criou-se um princípio: O Princípio do Sábado – Deus criou o homem em 6 dias e no 7º descansou, o sétimo dia foi então consagrado para descanso, nada se podia fazer (Lev. 23.3) O Sétimo Ano – era para o descansar da terra, que após 6 anos, comia-se apenas do que nascia por si só (Lev. 25.1-5). O Ano do Jubileu – acontecia a cada 49 anos, era o ano do perdão e da reconciliação, neste ano, as dívidas eram perdoadas, os escravos eram libertos e a terra voltava a ser do dono original. Devido a esse planejamento de Deus mediante os ciclos, passou-se a necessitar de marcos (acontecimentos importantes) para que a partir deles fosse possível contar os ciclos em cada área (Jer. 31.21a). Exemplos de marcos: - dia da conversão; - dia do casamento; - dia da consagração ao ministério; dia que abre-se um negócio, etc. Existem ciclos para todas as áreas e eles caminham juntos, é importante sabermos em qual ciclo estamos vivendo para esperarmos o que poderemos receber de Deus em cada ciclo.

1º ANO - ANO DA APRENDIZAGEM:

Em cada área é assim que funciona, o primeiro ano de qualquer coisa é para aprender como fazer e agir. (Ex. Casamento: a lua de mel não dura 365 dias, é preciso aprender a conviver melhor um com o outro. Brasil: país que mais inicia negócios e um dos que mais tem empresas que fecham, por não saber que o 1º ano é da aprendizagem). O 1º ano é para estabelecer bases e fundamentos, ano de ganhar experiência.

2º ANO - ANO DO SERVIÇO:

É tempo de praticar o que se aprendeu no 1º ano, tempo de trabalho e de não obter muitos resultados, mas de conquistar reconhecimento pelo serviço, muitos desistem no 2º ano, porém não há vantagem em desistir pois quando assim fazemos, não concluímos nada e sempre estaremos voltando ao início.

3º ANO - ANO DA ALIANÇA:

É um ano de familiaridade, de proximidade, de adquirir confiança. Somente após 3 anos podemos dizer que temos aliança, assim o fez Jesus, após 3 anos passou a chamar seus discípulos de amigos (Jo. 15.15) É no 3º ano que se checa a realidade dos vínculos.

4ª ANO – ANO DA OPORTUNIDADE (Lc.13.6-9):

É ano de produzir frutos em qualquer área, A figueira que foi plantada na vinha, não havia produzido nenhum fruto durante 3 anos, mas teve a oportunidade de produzi-los no 4º ano. Pode-se esperar e trabalhar para colher frutos.

5º ANO – ANO DA DEFINIÇÃO E PERSEVERANÇA (II Re.13.17-19):

É um ano de perseverar, pois é um tempo de lutas, onde há vontade de desistir, porém não devemos faze-lo para não perdermos a benção que nos aguarda (Ex.: muitas igrejas tradicionais mudam de pastor no 5º ano; muitos casais se separam no 5º ano de casados;)

6º ANO – O ANO DA BENÇÃO TRÍPLICE (Lev. 25.20-22):

Nesse texto o povo questiona como haveriam de viver, se o 7º ano é o ano do descanso? Deus diz que se forem perseverantes e fiéis no 6º ano produziriam 3 vezes mais, para viverem até o 8º ano. O 6º ano é ano de reivindicar as promessas do Senhor em todas as áreas, por isso devemos perseverar no 5º ano, para que nos apossemos das bênçãos do 6º.

7º ANO – ANO DO DESFRUTE:

Ano onde trabalha-se menos e colhe-se igual, colhe-se o que já plantou-se nos anos anteriores.

Somente os dias que vivemos na presença de Deus é que são contados. Se desejamos viver o melhor de Deus devemos nos posicionar em sua vontade e perseverarmos, pois somente desta forma poderemos ver suas mãos agindo em nossas vidas ao longo dos anos aqui na Terra.